12/03/2008 Noticia AnteriorPróxima Noticia

A leitura descobre novos mundos dentro do Mundo

“O livro é um instrumento para a sensibilização da consciência e para a expansão da capacidade e do interesse emanalisar o mundo.”

Um universo mágico passa a habitar a vida das pessoas que convivem com os livros. A Literatura, em todas as suas formas, tem um grande poder de envolver seus admiradores e excitar as mais diversas formas de imaginação, independente da faixa etária. Tanto crianças, jovens ou adultos, quando estão lendo, perdem-se no universo de beleza e fantasia que a Literatura é capaz de criar, despertando diversos sentimentos ao leitor, fazendo com que ele seja parte integrante do mundo literário.

Tantas histórias são capazes de emocionar o leitor em diversas épocas de sua vida, fazendo com que ele volte a se emocionar ao rele-las. Um livro é o mais fiel companheiro de uma pessoa, capaz de nunca deixar seu dono só, causando-lhe as maiores sensações de alegria e bem-estar.

O que será que acontece desde a infância, para que as pessoas gostem de ler? A leitura passa a serinstrumento para a sensibilização da consciência, para a expansão da capacidade e interesse de analisar o mundo. A Literatura apresenta-se não só como veículo de manifestação de cultura, mas também de ideologias.

Literatura Infantil: formadora de consciência

Até bem pouco tempo, em nosso século, a Literatura Infantil era considerada como um gênero secundário, e vista pelo adulto como algo pueril (nivelada ao brinquedo) ou útil (forma de entretenimento). A valorização da Literatura Infantil, como formadora de consciência dentro da vida cultural das sociedades, é bem recente.

O caminho para a redescoberta da Literatura Infantil, em nosso século, foi aberto pela Psicologia Experimental que, revelando a Inteligência como um elemento estruturador do universo que cada indivíduo constrói dentro de si, chama a atenção para os diferentes estágios de seu desenvolvimento (da infância à adolescência) e sua importância fundamental para a evolução e formação da personalidade do futuro adulto. A sucessão das fases evolutivas da inteligência (ou estruturas mentais) é constante e igual para todos. As idades correspondentes a cada uma delas podem mudar, dependendo da criança, ou do meio em que ela vive.

Para cada fase da vida da criança, um tipo de Literatura é sugerida, para que futuramente, ela preserve o gosto pela leitura. Quando bem pequenas, até a fase dos 3 anos, é importante que as histórias sejam contadas com bastante ritmo e entonação, e que as figuras dos livros, sejam grandes e marcantes. É importante deixar que a criança tenha contato com o livro, que manuseie as folhas e que goste desse contato, isso será importante para que, ao longo dos anos, o livro seja um grande companheiro.

Dos 3 aos 6 anoslivros com dobraduras simples são indicados. Outro recurso é a transformação do contador de histórias com roupas e objetos característicos. A criança acredita, realmente, que o contador de histórias se transformou no personagem ao colocar uma máscara.

Na fase da alfabetização é importante otrabalho com figuras de linguagem que explorem o som das palavras. Estruturas frasais mais simples sem longas construções. Ampliação das temáticas com personagens inseridas na coletividade, favorecendo a socialização, sobretudo na escola. Excelente momento para inserir poesia, pois brinca com palavras, sílabas, sons. Apoio de instrumentos musicais ou outros objetos que produzam sons.

Para que uma criança goste de ler, é necessário o incentivo e a estimulação dos pais. Quando os pais presenteiam os filhos com livros, estão iniciando ali, um hábito saudável e enriquecedor, que só trará benefícios para a criança. Apresentar a ela, diversos tipos de leitura, fará com que essa criança se torne formadora de opinião, com uma consciência crítica, sabendo distinguir o certo do errado.

Aberta a porta para o imaginário: qual livro escolher?

O que não falta são opções para quem gosta de ler. Mas uma dúvida que persegue diversos leitores é como escolher um livro. Inúmeras pessoas lêem pelo autor e não pela qualidade do livro e algumas pessoas já tem um preconceito estabelecido antes mesmo de conhecer a fundo determinado autor. Críticas literárias ajudam muito a quem tem essa dúvida, sobre o que ler, mas o interessante é que as pessoas permitam-se a mergulhar no mundo imaginário e que se deixem levar pelas histórias e suas personagens.

A Literatura nacional tem crescido cada vez mais, com inúmeros autores em prosa e poesia e uma diversidade imensa, para os mais variados gostos, mas ainda não é a mais lida, se compararmos com a internacional. Não há quem não conheça Machado de Assis, Carlos Drummond de Andrade, Cecília Meirelles, Monteiro Lobato, alguns dos representantes da nossa Literatura. A cultura nacional deve ser mais valorizada, e para que isso aconteça, é preciso que autores nacionais ganhem espaço na estante dos leitores; a maioria dos livros que os jovens lêem é sobre literatura internacional, porque é o que a mídia divulga, está mais do que na hora dos autores nacionais receberem também o devido valor.

Deparando-se comcentenas de opções literárias, qual livro escolher? Essa é a pergunta que o leitor se faz, e qual seria a resposta? A melhor forma de se escolher um livro é pelo assunto que ele aborda, lendo um livro que trata de um assunto que é do gosto do leitor, a leitura torna-se muito mais agradável e prazerosa, fazendo com que a história do livro esteja presente na própria vida.

Contadores de histórias: literatura sendo dramatizada

Há muito tempo existem os contadores de história. Nas culturas tradicionais essa forma de comunicação sempre teve a função de armazenar, difundir e perpetuar conhecimentos e valores, configurados em relatos míticos, contos e lendas.

Através de variadas situações - desafios, exposição ao perigo, ao ridículo, ao fracasso, encontro de amor, enigmas, encantamento, humor - os contos tradicionais produzem efeitos em diferentes níveis: podem intrigar, fazer pensar, trazer descobertas, perguntas, provocar o riso, a perplexidade, o maravilhamento. Esses contos falam das possibilidades de transformação da existência humana.

Quando conta-se histórias, é possível despertar o interesse da criança e do adulto para que depois de ver a dramatização, fique interessado no livro. A conquista é imediata, as emoções vem a tona, causando risos ou lágrimas, faz com que a história seja o ponto central naquele instante, fazendo com que a pessoa não esqueça jamais do que ouviu e viu.

Inúmeros são os motivos para se contar histórias: estímulo á leitura e ao aprendizado em geral; educação temática (meio ambiente, higiene, alimentação, etc...); fortalecimento emocional e psicológico infantil; entretenimento e lazer; estreitamento social e afetivo. Contando histórias, é possível levar para muitas pessoas a pureza dos sonhos e a beleza do faz-de-conta. Quem não pode ou não sabe ler, também pode ser privilegiado com esse mundo mágico criado pelas histórias.

É preciso folhear o livro e se apaixonar

O escritor e educador Álvaro Ottoni, que tem 26 livros publicados e 25 anos de carreira, diz que a literatura infantil é recomendada para crianças de todas as idades: “ É indicada para cada criança presente em nós”. O que mais fascina a criança em um livro, varia com a idade, para as pequenas são as ilustrações e para as já alfabetizadas, o conteúdo que diverte e faz pensar. Para que os pais possam incentivar os filhos a ler, segundo Álvaro, é preciso que eles leiam “ Os pais devem ler e assim dar exemplo aos filhos. Ser leitor, contar histórias e ter livros em casa.”Escrever para crianças exige maior cuidado, o escritor também acredita nessa afirmação: “ É preciso ter maior cuidado com os sentimentos infantis. Escrever para crianças exige principalmente muita sensibilidade”. Para que todas as pessoas possam ter acesso a leitura, é necessário que exista uma política nacional de leitura, Álvaro Ottoni acrescenta que é preciso que exista uma vontade política de oferecer programas de leitura, investimento na compra de livros, capacitação de profissionais para administrar com prazer as bibliotecas. Quando perguntado sobre os benefícios da leitura, Álvaro responde sorrindo: “ O livro dá o conhecimento, desperta a consciência crítica e social, abre horizontes, permite o sonho, desperta a auto-estima.”

Para quem ainda não gosta de ler e pretende se tornar um leitor assíduo, Álvaro recomenda “ Dê oportunidade ao livro de conquista-lo. Nunca é tarde para descobrir o prazer da leitura. É preciso folhear o livro e se apaixonar. Se não gostar do que está lendo, não tenha preconceito em deixar o livro de lado, muitos outros poderão te conquistar”.

Quando as pessoas apaixonam-se pela leitura, a vida ganha um novo sentido e as histórias com suas personagens passam a fazer visitas para essas pessoas, assim não há como sentir-se sozinho. Pegue um livro e permita-se descobrir um novo mundo. Trate o livro com carinho, como se fosse um amigo. Como dizia Mário Quintana “O verdadeiro analfabeto é aquele que aprende a ler e não lê”.

Agnes Lutterbach

Por: ForumSec21