09/03/2008 Noticia AnteriorPróxima Noticia

Bunge, acusada de desmatar o cerrado, sofre derrota no Piauí

O ramo de atividade da Bunge no Piauí é industrialização e comercialização de cereais e sementes oleaginosas, seus derivados e sucedâneos. A matéria-prima principal de sua atividade no Sul do Estado é a soja, para extração do óleo e ração animal. Vários produtos com marcas importantes de óleo comestível e margarina vegetal têm esta multinacional como fornecedora.

A matriz energética da Bunge, até então, era a lenha.

Se preferir, antes de ler a matéria abaixo, veja o vídeo que denuncia a destruição do Cerrado Piauiense pela Bunge

Basta copiar o endereço abaixo e colar no seu navegador

http://videos.uol.com.br/video/olhos-cerrados-0402D4A173C6

Por: Fundação Águas do Piauí - www.funaguas.org.br

Proibida a utilização de lenha como matriz energética por prejudicar o meio ambiente

Publicado em 06 de Março de 2008, às 20:15

A 5ª Turma do Tribunal Regional Federal da 1ª Região, ontem, 5 de março, sob a relatoria da Desembargadora Federal Selene Maria de Almeida, julgou pedido da Fundação Águas do Piauí (Funaguas) para sustar o funcionamento de unidade da empresa Bunge Alimentos no Município de Uruçuí, no Piauí, com a utilização de lenha como matriz energética.

Alega a Funaguas que a empresa de alimentos, destinada a processamento de grãos, utiliza lenha como fonte energética extraída da madeira e que, para isso, estaria a devastar o cerrado. A Fundação é contra os termos de um acordo, o Termo de Ajustamento de Conduta (TAC), que fora feito a sua revelia, entre a Bunge, o Ministério Público do Piauí e o Ministério Público Federal, em que a Bunge prometera procurar novas fontes de energia.

Explicou a Funaguas que as atividades realizadas pela empresa estaria a devastar o cerrado, em razão da retirada da vegetação original. Afirmou ainda que os Estudos de Impactos Ambientais (EIA) apresentados pelas empresas estariam falhos e que, mesmo assim, as licenças foram concedidas. Que não concordou com os termos do TAC e que nada até hoje foi feito para cumprir a promessa da empresa de alimentos de procurar novas fontes energéticas e, assim, abandonar a lenha como fonte.

A relatora, ao decidir, explicitou a gravidade da retirada da vegetação original no Estado do Piauí, o que tem causado extensos impactos ambientais. Pontuou a julgadora que no caso do Estado do Piauí, segundo imagens captadas por satélite, há ameaça de desertificação.

Disse a magistrada que o fato de serem outras fontes mais onerosas não deve levar a Bunge a desconsiderar a necessidade de buscar outras alternativas de matrizes energéticas. O próprio Ministério Público Federal apresentou outras fontes menos danosas ao meio ambiente, como o gás liquefeito de petróleo e o coque verde do petróleo. Acrescentou ainda a desembargadora que não é aceitável o desmatamento do cerrado piauiense sob o argumento de que as empresas criam empregos, podendo elas procurarem por alternativas que são economicamente sustentáveis e ao mesmo tempo não-devastadoras do meio ambiente.

Ao final, a Desembargadora determinou a desconstituição do TAC, a suspensão na utilização de lenha pela empresa como matriz energética. Anulou, ainda, a sentença de 1º grau e ordenou a volta do processo ao juízo de origem para a realização de perícia sobre os danos ambientais e conseqüente prolação de sentença de mérito.

Apelação Cível 2003.40.00.005451-0/PI

Marília Maciel Costa

Assessoria de Comunicação Social

Tribunal Regional Federal da 1ª Região

Por: Assessoria de Comunicação Social Tribunal Regional Federal da 1ª Região