28/12/2007 Noticia AnteriorPróxima Noticia

Coletanea de Meio Ambiente (dezembro 2007)

Conferência das Nações Unidas sobre Meio Ambiente realizada em Bali

O Secretário Geral da ONU, Ban Ki-moon, chorou ao encerrar a reunião sobre mudanças climáticas em Bali, na Indonésia. A emoção se deveu a decepção diante da falta de resultados do encontro. Sem consenso para definir metas para a redução de CO2, o assunto foi adiado para 2009.

A proposta inicial de reduzir entre 25% a 40% as emissões de carbono, não obteve apoio dos EUA, Rússia e China, que defenderam a sugestão da delegação norte americana, que reserva a cada país o dimensionamento dos limites da redução do CO2 e também o momento oportuno para tomar as medidas. Justamente esta oposição a fixação de metas levou a Convenção a um impasse.

A reunião em Bali contou com a presença de 10 mil delegados oriundos de 189 países e durou 2 semanas. Além de discutir a redução das emissões, outro aspecto foi estabelecer mecanismos para a transferência de tecnologias de energia limpa dos países ricos para os países pobres e em desenvolvimento.

Ministro das Relações exteriores, Celso Amorim, criticou os países desenvolvidos, acusando-os de não contribuírem efetivamente na redução das emissões de carbono. Segundo o ministro os EUA estão impedindo qualquer ação imediata neste sentido.

A Ministra Marina Silva, do Meio Ambiente, disse em Bali, ser urgente definir metas de contribuição dos países ricos na redução dos desmatamentos. A burocracia, segundo a ministra, impede a ação imediata neste sentido.

O Brasil recebeu o apoio da Alemanha, Noruega e México nas suas reinvidicações em Bali. A Noruega, por exemplo, apoia a idéia de um Fundo Florestal, tendo prometido transferir 5% de sua receita petrolífera para este fim.

De 1995 a 2005 aumentou em 49% o volume das emissões de carbono em todo o mundo.

Os países ricos respondem por 70% das emissões de gases estufa no planeta. Países pobres poluem 2%, enquanto aos países em desenvolvimento cabe a parcela de 28% deste crime ambiental.

O volume das emissões de carbono no Estado do Rio de Janeiro dá, a cada habitante, em média, a emissão de 4,4 toneladas de gases estufa por ano.

A Inglaterra aparece no relatório de Ongs internacionais como o único país que adequou suas emissões de carbono em 5%, dos 12% previstos no Protocolo de Kioto. Os demais países desenvolvidos não atingiram a marca de reduções.

O Brasil ficou em décimo lugar dos países que mais atuam contra o aquecimento global. A liderança é da Suécia e a Argentina ocupa o oitavo lugar.

A partir de 2008 a Petrobras reduzirá o nível de enxofre no óleo diesel. A empresa quer diminuir as emissões de carbono.

Até 2020 os países andinos terão de achar novas fontes de água porque o derretimento das camadas de gelo da Cordilheira dos Andes vai exaurir as fontes hoje existentes.

Os EUA anunciou que realizará uma reunião sobre as mudanças climáticas, sob iniciativa do governo Bush, em 2008, no Hawaí.

A elevação da temperatura em 1 grau, nos próximos anos, aumentará a incidência de malária, dengue e diarréia em todo o mundo, advertiram especialistas durante a Convenção Climática.

Dia 3 de dezembro o novo primeiro ministro da Austrália anunciou a adesão de seu país ao Protocolo de Kioto, deixando os EUA, isolados, como o único país a não aderir.

OUTRAS NOTICIAS DOE MEIO AMBIENTE

Nova Friburgo

Escritório do IBAMA, que funciona há 16 anos em Nova Friburgo, pode ser fechado sem justificativas. O município possui grandes reservas de Mata Atlântica e cabe também ao IBAMA assegurar a preservação deste patrimônio.

O governador Sérgio Cabral anunciou a construção de uma Estação de Tratamento de Esgotos para o Hospital Raul Sertã, em Nova Friburgo, junto com a implantação de um Centro de Oncologia.

Rio de Janeiro

O presidente Lula foi a favela Pavão Pavãozinho, na zona sul do Rio, marcando o início da urbanização daquele local. Prevê a aplicação de 35 milhões na construção de novas moradias, ruas, rede de esgotos. O Morro do Cantagalo também será beneficiado. O exército vai ajudar nas obras.

No Rio de Janeiro, 30% do lixo é reciclado, sendo a maior parte de latas e apenas 10% de plásticos. O mérito é dos catadores.

Madeiras de obras do governo do Estado do Rio terão de portar certificado de origem sustentável, afirmou o secretário de Meio Ambiente, Carlos Minc.

Árvores centenárias situadas em diferentes locais do Rio de Janeiro foram declaradas intocáveis. Estão proibidas quaisquer intervenções nas plantas e as podas só poderão ser realizadas pela Prefeitura.

Defesa dos animais

A Ong SOS Fauna, de São Paulo recolhe pássaros apreendidos na capital. 1.200 pássaros foram devolvidos neste ano ao meio ambiente pela Ong. Entretanto, devido a enorme quantidade de pássaros das inúmeras apreensões, muitos acabaram repassados para grupos conservacionistas e faculdades. Cada 300 pássaros custam 20 mil por ano para serem mantidos.

Em Florianópolis, projeto que põe fim ao uso de animais nas pesquisas científicas, aprovado pela câmara, teve o descuido do prefeito, caducando por decurso de prazo. Pegou de surpresa a Universidade que tinha parado as pesquisas. No Rio de Janeiro, o prefeito César Maia vetou projeto semelhante.

Em Santa Catarina, Lei Estadual obriga a esterilização de Cães da raça Pitbull, à partir dos 6 meses de idade e prevê multa de 5 mil reais, progressiva.

Projeto Tamar comemora a procriação de 9 milhões de tartarugas de 3 espécies diferentes, todas, ameaçadas de extinção. O sucesso deve-se a ação de 1.300 pessoas dedicadas ao projeto, em diferentes pontos do litoral brasileiro.

Fontes de Energia

Técnicos consideram o litoral do nordeste brasileiro propício a energia eólica. Um equipamento para este fim constitui-se de uma torre com 100 metros de altura e moinhos com enormes pás, aparelhos bastante barulhentos. Precisa haver alguma estratégia para espantar os pássaros e, assim, evitar uma tragédia ambiental.

Do potencial hidrelétrico brasileiro, o conjunto energético existente representa 1/3 da capacidade disponível.

Os rejeitos nucleares das usinas atômicas brasileiras estão armazenados em depósitos especiais nessas instalações. As obras de Angra III serão contratadas em 2008.

O Partido Verde entrou com uma ação na justiça contra a construção de Angra III.

Consórcio Odebrecht-Furnas venceu um leilão, no dia 10 de dezembro, e vai construir uma Usina em Santo Antonio, no rio Madeira.

A Ong Amigos da Terra, da Amazônia, entrou com uma ação na justiça contra a construção de duas hidrelétricas no rio Madeira, em Rondônia. Alega que 1 milhão de brasileiros foram removidos por causa de 2 mil barragens feitas no país e até o momento não foram ressarcidos do prejuízo.

Estima-se que 80 mil pessoas vão se transferir para o estado de Rondônia em função das obras de duas hidrelétricas a serem construídas no rio Madeira, a partir de 2008.

A Infra-Estrutura do Estado de Rondônia é pobre, sendo que apenas 2% das residências tem redes de esgoto. No passado deu-se a exploração do ouro e a economia atual em Rondônia gira em torno da exportação de madeira. A grande expectativa com a hidroelétricas estimulou a construção civil e valorizou o preço dos imóveis e do aluguel.

O nível dos reservatórios hidrelétricos do Brasil está em 48%, bem abaixo dos 60% previstos para o sinal de alerta que manda acionar as termoelétricas. Planeja-se mudar o critério, dando o alerta só quando o nível chegar a 36%.

Desastres ambientais

A seca permanece em 300 municípios, nos estados de Alagoas, Maranhão e Rio Grande do Norte. Em Minas Gerais a seca ainda atinge 126 cidades.

Um meteorito caiu no Peru, abrindo uma cratera de 17 metros. Pessoas que se aproximaram do local foram acometidas de náusea e tonturas. Cientistas se espantaram com estes sintomas, fato incomum neste fenômeno.

A chuva chegou a região norte de Minas. Mas não houve comemorações. Desiludidos com a seca, agricultores e pecuaristas já haviam abandonado suas terras, migrando para outros estados. O que restou do rebanho bovino fora solto para encontrar sobrevivência à própria sorte.

Ciclone em Bangladesh, em novembro, matou 5 mil pessoas e deixou 3 milhões desabrigados.Os eventos atingiram 240 km horários. O país localizado num estuário, abaixo do nível do mar, corre o risco de desaparecer caso ocorra a elevação do nível do mar.

Terremoto de 4,9 graus centígrados na localidade de Caraíbas, município de Itacarambi, no norte de Minas Gerais, causou a primeira vítimas de abalo sísmico no Brasil, uma criança de 5 anos. Derrubou 6 casas e danificou as demais, desabrigando 300 pessoas. A tragédia só não foi maior porque, no momento do tremor, toda a comunidade se divertia num forró.

Petroleiro da Coréia do Sul colidiu com embarcação em dezembro, derramando 10 mil toneladas de óleo no mar da Coréia, contaminando uma área de 17 quilômetros quadrados até a praia.

O Ibama e a Polícia Federal prenderam 40 pessoas no Rio Grande, em barcos carregados de produtos tóxicos usados em mineração. Aumentam as suspeitas de contaminação de peixes neste rio.

Mata Atlântica

Para combater a plantação de Eucaliptos na Mata Atlântica, a FAPERJ coletará espécies originais da floresta para difundir o reflorestamento correto. Calcula-se que a Mata Atlântica possua algo em torno de 20 mil espécies de árvores.

Câmara Federal e Ong SOS Mata Atlântica promovem o plantio de 12 mil árvores nativas da Mata Atlântica, na região de Mogi das Cruzes, no Estado de São Paulo. A iniciativa visa compensar as emissões de carbono das atividades do legislativo, nos últimos dois anos. O plantio foi denominado “Parlamento Carbono Neutro.

O arquipélago de Abrolhos, no litoral baiano, abriga o maior banco de recifes de corais do oceano atlântico. Está sendo usado por pescadores para a criação de camarões com o apoio do governo estadual. A Ong SOS Mata Atlântica condena esta iniciativa que põe em risco a existência de corais pela atividade comercial no local.

Lixo e Reciclagem

Rosário, na Argentina, tem o maior índice de reaproveitamento de resíduos sólidos do lixo, na América Latina.

O estado do Amazonas determinou a substituição das garrafas de vidro das cervejas por garrafas Pet. Esta medida resultará no aumento do lixo nos Igarapés, reclamam os ecologistas.

O presidente Lula anunciou apoio às cooperativas de catadores de material reciclável. Somente 6% das cidades brasileiras possuem coleta de lixo reciclável.

Belo Horizonte arrecada 900 mil reais por ano com o Programa de Reciclagem de Lixo, implantado há 10 anos.

Por: ForumSec21