Joseph CampbellGeorge Bernard Shaw

Mestre de Vida: Sêneca

Sêneca Sêneca 4 a.C - 65 d.C

Sêneca

Lucius Annaeus Seneca foi um célebre advogado e intelectual do Império Romano. Sua obra foi modelo do pensamento estóico no Renascimento, inspirou a dramaturgia renascentista e também a reforma protestante de Calvino. Era defensor da vida simples, da ética e do destino predestinado. Sêneca distinguia o corpo da alma: o corpo prende a alma e a alma é o verdadeiro homem. A alma teria uma parte racional e outra irracional. A parte irracional seria dividida em duas, a das paixões que é irascível e ambiciosa e a parte humilde que é branda e que busca o prazer. Sêneca via, no cumprimento estrito do dever, um serviço à humanidade. Procurava aplicar sua filosofia à prática. Foi educador e conselheiro do imperador Nero que ordenou seu suicídio no ano de 65, acusado de traição sem direito a julgamento. Sêneca obedeceu tal ordem com tranquilidade.

Ensinamentos:

“Se quer ser amado, ame.”

"O homem que sofre antes de ser necessário, sofre mais que o necessário."

"As coisas que nos assustam são em maior número do que as que efetivamente fazem mal, e afligimo-nos mais pelas aparências do que pelos fatos reais."

"Se vives de acordo com as leis da natureza, nunca serás pobre; se vives de acordo com as opiniões alheias, nunca serás rico."

"É preciso dizer a verdade apenas a quem está disposto a ouvi-la."

"Procura a satisfação de veres morrer os teus vícios antes de ti."

"Pobre não é aquele que tem pouco, mas antes aquele que muito deseja."

"Muitas coisas não ousamos empreender por parecerem difíceis; entretanto, são difíceis porque não ousamos empreendê-las."

"Perguntas-me qual foi o meu progresso? Comecei a ser amigo de mim mesmo."

"Nisto erramos: em ver a morte à nossa frente, como um acontecimento futuro, enquanto grande parte dela já ficou para trás. Cada hora do nosso passado pertence à morte."

"Uma mulher bonita não é aquela de quem se elogiam as pernas ou os braços, mas aquela cuja inteira aparência é de tal beleza que não deixa possibilidades para admirar as partes isoladas."

"É válido procurarmos conhecer a má e penosa servidão a que nos sujeitamos quando nos abandonamos ao poder alternado dos prazeres e das dores, esses dois amos tão caprichosos quanto tirânicos."

"Quando a velhice chegar, aceita-a, ama-a. Ela é abundante em prazeres se souberes amá-la. Os anos que vão gradualmente declinando estão entre os mais doces da vida de um homem. Mesmo quando tenhas alcançado o limite extremo dos anos, estes ainda reservam prazeres."

VOLTAR À PÁGINA INICIAL