Emmanuel MounierSamuel Beckett

Mestre de Vida: Baruch Spinoza

Baruch Spinoza Baruch Spinoza 1632-1677

Baruch Spinoza

O filósofo Baruch Spinoza nasceu em Amsterdã. De família judaica, suas constantes reflexões sobre a religião o colocaram contra a sua própria tradição. Chegaram a lhe oferecer uma pensão para ele se manter calado e fiel à sinagoga mas Spinoza recusou. Foi então acusado de heresia, por se mostrar irredutível em suas opiniões e foi expulso de sua comunidade em 1656, tendo sido considerado um proscrito, desde então.

Viveu uma vida modesta, frugal e sem grandes luxos. Se sustentava com algumas doações e com o dinheiro de polidor de lentes ópticas. Escreveu obras fundamentais para a História da Filosofia, marcadas pela sua concepção de Deus. Defende uma interpretação da Bíblia diferente da visão dogmática. Dizia que a Bíblia estava num sentido figurado.

Para Spinosa, os homens falam demais. Sua ética tem uma frase principal: “o esforço para compreender é a primeira e única base da virtude.”

Ensinamentos:

“A tranqüilidade interior é, na realidade, o bem supremo que podemos almejar”.

Deus é imanente à natureza e ao universo. Deus e natureza: dois nomes para a mesma coisa.

Tenho evitado cuidadosamente rir-me dos atos humanos ou desprezá-los; o que tenho feito é tratar de compreendê-los.

A felicidade não é um prêmio da virtude, é a própria virtude.

É aos escravos, e não aos homens livres, que se dá um prémio para re-compensar por se comportarem bem

O homem livre, no que pensa menos é na morte, e a sua sabedoria é uma meditação, não da morte, mas da vida.

É livre a pessoa se pode avançar abertamente sem ter de utilizar artimanhas.

Não há esperança sem medo, nem medo sem esperança.

Se tiver todos os fatos, o seu juízo será correto; se não tiver todos os fatos, não pode ser correto.

Paz não é a ausência de guerra. É uma virtude, um estado mental, uma disposição para a benevolência, confiança e justiça.

Nada estimo mais entre todas as coisas que não estão em meu poder, do que contrair uma aliança de amizade com homens que amem sinceramente a verdade.

Não é uma ação que vence uma paixão. É uma paixão mais forte que vence outra mais fraca.

As coisas nos parecem absurdas ou más porque delas só temos um conhecimento parcial e estamos na completa ignorância da ordem e da coerência da natureza como um todo.

VOLTAR À PÁGINA INICIAL