Bagwan Sree Rajnesh (Osho)Woody Allen

Mestre de Vida: Dalai Lama

Dalai Lama Dalai Lama 1935 -

Dalai Lama

Dalai significa “Oceano” e “Lama” é a palavra tibetana para mestre, guru, e várias vezes referido por “Oceano de Sabedoria”. Os Dalai Lamas são a manifestação de Avalokiteshvara, o Bodhisattva da Compaixão. O nome tibetano do Dalai Lama é Gyawa Rinpoche que significa “grande protetor”, ou Yeshe Norbu, a “grande jóia”. O atual Dalai Lama é Tenzin Gyatso, o 14º Dalai-Lama. Ele nasceu em 1935, e em 1959, quando a China comunista invadiu o Tibet, o Dalai Lama fugiu para a Índia, onde mora até hoje, em Dharamsala.

Ensinamentos:

A essência de toda a vida espiritual é a emoção que existe dentro de você, é a sua atitude para com os outros.

“Quando você mantém um sentimento de compaixão, bondade e amor, algo abre automaticamente sua porta interna. Com isso, você pode se comunicar mais facilmente com as outras pessoas.”

A meu ver, criamos uma sociedade em que as pessoas acham cada vez mais difícil demonstrar um mínimo de afeto aos outros. Em vez da noção de comunidade e da sensação de fazer parte de um grupo, encontramos um alto grau de solidão e perda de laços afetivos. O que gera essa situação é a retórica contemporânea de crescimento e desenvolvimento econômico, que reforça intensamente a tendência das pessoas para a competitividade e a inveja.

E com isso vem a percepção da necessidade de manter as aparências por si só uma importante fonte de problemas, tensões e infelicidade. O descaso pela dimensão interior do homem fez com que todos os grandes movimentos dos últimos cem anos ou mais - democracia, liberalismo, socialismo - tenham deixado de produzir os benefícios que deveriam ter proporcionado ao mundo, apesar de tantas idéias maravilhosas.

Meu apelo por uma revolução espiritual não é um apelo por uma revolução religiosa. Considero que a espiritualidade esteja relacionada com aquelas qualidades do espírito humano - tais como amor e compaixão, paciência, tolerância, capacidade de perdoar, contentamento, noção de responsabilidade, noção de harmonia - que trazem felicidade tanto para a própria pessoa quanto para os outros. É por isso que às vezes digo que talvez se possa dispensar a religião. O que não se pode dispensar são essas qualidades espirituais básicas.

“Muitos conservam uma idéia suja da política. E alguns que andam na política agem nessa conformidade. Mas não está correto. Ao mesmo tempo, não podemos abandoná-los, nem abolir a política. Temos, sim, de encontrar uma maneira de purificá-la...

O que mais nos incomoda é ver nossos sonhos frustrados. Mas permanecer no desânimo não ajuda em nada para a concretização desses sonhos. Se ficamos assim, nem vamos em busca dos nossos sonhos, nem recuperamos o bom humos! Este estado de confusão, propício ao crescimento da ira, é muito perigoso. Temos de nos esforçar e não permitir que a nossa serenidade seja perturbada. Quer estejamos vivenciando um grande sofrimento, ou já o tenhamos experimentado, não há razão para alimentarmos o sentimento de infelicidade.

VOLTAR À PÁGINA INICIAL