Federico FelliniWoody Allen

Mestre de Vida: Henri Bergson

Henri Bergson Henri Bergson 1859 - 1941

Henri Bergson

Henri Bergson foi um filósofo e diplomata francês que, junto com autores de outros tempos, como Espinosa, Nietzsche, Kierkgaard, Deleuze e outros, contribuiram para mudar o enfoque do pensamento humano, dando muito mais importância ao acontecimento do real do que antes lhe era reputado. Coloca-se, assim, na linha de reação contra o intelectualismo (racionalismo) exagerado que encheu as escolas do século anterior.

Ao contrário de Platão e René Descartes, que usavam a geometria como modelo para fazer da metafísica uma ciência, Bergson adotou a biologia, a psicologia e a sociologia como fundamentos de seu pensamento filosófico.

Foi sucessivamente aluno e professor da Escola Normal Superior de Paris, onde se doutorou em Filosofia no ano de 1889.

Enquanto lecionava Filosofia, não deixava de escrever, produzindo as suas grandes obras “Matéria e Memória”, O riso, a Evolução Criadora e as Duas Fontes da Religião e da Moral. Em 1900 tomou-se professor do Colégio de França, onde ensinou com grande sucesso até 1924, ano em que espontaneamente se retirou. Em 1927 conquistou o Prêmio Nobel de Literatura.

Ensinamentos:

A inteligência é caracterizada por uma incompreensão natural da vida.

O olho vê somente o que a mente está preparada para compreender.

Falhamos ao traduzir exatamente o que se sente na nossa alma: o pensamento continua a não poder medir-se com a linguagem.“

Sentar-se no meio de uma fala seria lembrar que se tem um corpo. Napoleão, que era psicólogo nas horas vagas, observou que se passa da tragédia à comédia pelo simples fato de se sentar.

Um ser inteligente traz consigo os meios necessários para superar-se a si mesmo.

Para um ser consciente, existir consiste em mudar, mudar para amadurecer, amadurecer para se criar a si mesmo indefinidamente.“

O nosso espírito tem uma irresistível tendência para considerar como mais clara a ideia que mais frequentemente lhe serve.

Sempre somos capazes de dar algo mais; mesmo nas pedras germinam as flores.

Se somos livres todas as vezes que queremos entrar em nós mesmos, raramente nos acontece querermos entrar.

A vida é um caminho de sombras e luzes. O importante é que se saiba vitalizar as sombras e aproveitar a luz.

Há coisas que só a inteligência é capaz de procurar, mas que por si mesma nunca achará. E essas coisas só o instinto as acharia, mas nunca as procura.

Pense como uma pessoa de ação e aja como uma pessoa que pensa.

VOLTAR À PÁGINA INICIAL