Abraham Lincoln

Mestre de Vida: Molière

Molière Molière 1622 - 1673

Molière

Jean-BaptistePoquelin, conhecido como Molière, foi um grande dramaturgo e ator francês, considerado um dos mestres da comédia de todos os tempos.

Em suas peças, retratou o cotidiano com um olhar crítico e satírico. Mostrou o pedantismo dos falsos sábios, a pretensão dos burgueses enriquecidos, a corrupção dos diversos setores sociais e as mentiras dos médicos ignorantes. Retratou de forma extraordinária os grandes defeitos e virtudes da alma humana: Inveja, cobiça, orgulho, avareza e arrogância. Em função do seu realismo e do tom cômico de suas obras, recebeu, durante sua vida, protestos, perseguições e até ameaças, principalmente, dos setores conservadores endinheirados, a igreja e os políticos, incomodados com as suas temáticas. Nesta época, os comediantes não podiam, por lei, serem sepultados nos cemitérios normais (terreno sagrado), já que o clero considerava sua profissão como uma mera “representação do falso”

Ensinamentos:

“Viver sem amar não é realmente viver.”

“A escola da experiência é a mais educativa.”

“Não somos responsáveis apenas pelo que fazemos, mas também pelo que deixamos de fazer.”

As pessoas jamais estão tão perto da estupidez do que quando se crêem sábias.

“Eu prefiro viver dois dias na terra do que mil anos na história.”

“Todos os vícios, quando estão na moda, passam por virtudes.”

“Um tolo que não diz palavra não se distingue de um sábio que se cala.”

“É longo o caminho que vai do projecto à coisa.”

“A virtude é o primeiro título de nobreza; eu não presto tanta atenção ao nome desta ou daquela pessoa, mas antes aos seus atos.”

“E de todas é uma loucura sem par, este mundo querer-se endireitar.”

“Foge a razão perfeita a toda a extremidade, e deve a gente ser sagaz com sobriedade.”

“Só encontro, em toda parte, vil bajulação, Injustiça, mentira, calúnia e traição.”

“Por Deus, como é covarde, indigno e condenável, trair-se e ter a alma assim tão maleável.”

“A nossa preferência sempre escolhe a alguém: Quem gosta de todos não gosta de ninguém.”

“O mundo, que coisa estranha é o mundo! A maledicência geral, por exemplo. Como todo mundo gosta de falar dos outros!”

“Se tentares suprimir a dor, é possível que a dupliques.”

VOLTAR À PÁGINA INICIAL