Hannah Arendt

Mestre de Vida: Angela Davis

Angela Davis Angela Davis (1944 - )

Angela Davis

Angela Yvonne Davis é uma professora e filósofa dos EUA, que alcançou notoriedade mundial em 1970 como integrante dos Panteras Negras, e por sua militância pelos direitos das mulheres e contra a discriminação social e racial nos Estados Unidos.

Atualmente ministra palestras sobre os direitos das mulheres, raça e sobre o sistema de justiça americano.

Nasceu no Alabama, um dos estados mais racistas dos EUA e desde cedo conviveu com humilhações de cunho racial. Leitora voraz quando criança, aos 14 anos participou de um intercâmbio que oferecia bolsas de estudo para estudantes negros em escolas do norte do país.

Em 1970, Angela Davis integrou a Lista dos Fugitivos Mais Procurados do país, ao ser acusada de conspiração, envolvida em conquistar o apoio da sociedade para três negros presos, os “Irmãos Soledad”.

Dezoito meses após o início do julgamento, Angela foi inocentada de todas as acusações e libertada. John Lennon e Yoko Ono lançaram a música Angela em sua homenagem e os Rolling Stones gravaram Sweet Black Angel, cuja letra falava de seus problemas legais e pedia sua libertação.

Ensinamentos:

Temos que falar sobre libertar mentes tanto quanto sobre libertar a sociedade.

Nós não precisamos de homogeneidade e nem de mesmice. Não precisamos forçar todas as pessoas a concordarem com uma determinada forma de pensar.

Quando a mulher negra se movimenta, toda a estrutura da sociedade se movimenta com ela

Não acho que tenhamos outra alternativa senão permanecer otimistas. O otimismo é uma necessidade absoluta.

Não são as pessoas individualmente que decidem que a violência é a resposta; são as instituições ao nosso redor que estão saturadas de violência. Se o Estado usa a violência policial para solucionar problemas, há a mensagem de que a violência também pode ser usada para resolver problemas em outras esferas como os relacionamentos.

Não aceito mais as coisas que não posso mudar, estou mudando as coisas que não posso aceitar.

Você tem que agir como se fosse possível transformar radicalmente o mundo. E você tem que fazer isso o tempo todo.

É nas coletividades que encontramos reservatórios de esperança e otimismo.

Numa sociedade racista, não basta não ser racista. É necessário ser antirracista.

Alguns dos sintomas mais evidentes da desintegração social só são reconhecidos como um problema sério após assumirem tamanha proporção epidêmica que parecem não ter solução.

A prisão se tornou um buraco negro no qual são depositados os detritos do capitalismo contemporâneo.

VOLTAR À PÁGINA INICIAL