Marcel Proust

Mestre de Vida: Marco Aurélio

Marco Aurélio Marco Aurélio 121 d.C - 180 d.C

Marco Aurélio

Marco Aurélio pertenceu a uma família aristocrata e, muito jovem, perdeu os pais. Adotado pelo tio Aurélio Antonino, que foi imperador de Roma, foi nomeado seu sucessor. Aos 11 anos conheceu as ideias do estoicismo, (uma filosofia de enorme força moral diante das adversidades da Vida) e e adotou hábitos de vida austera. Logo que tornou-se imperador, comandou Roma em seu último grande momento.

Ele tornou realidade o sonho utópico de Platão de um “imperador filósofo”. Marco Aurélio conduziu Roma ameaçada a um período dourado de sua História. Como filósofo, escreveu palavras cuja sabedoria doce e profunda desafia a passagem do tempo; reflexões curtas sobre a efemeridade da glória e da própria Vida. Um discípulo seu, depois de sua morte, juntou suas reflexões num pequeno livro ao qual deu o nome de Meditações. Os dias haveriam de converter as Meditações de Marco Aurélio num patrimônio inestimável da humanidade.

O governo de Marco Aurélio, que se estendeu por quase duas décadas, foi marcado por guerras sangrentas e prolongadas e por uma série de dificuldades internas. Ele foi um excelente guerreiro e administrador. Faleceu em uma campanha militar.

Ensinamentos:

“Não faças isso, se não é justo. Se não é verdade, não o digas.”

Escava dentro de ti. É lá que está a fonte do bem, e esta pode jorrar continuamente, se a escavares sempre.

Não julgues as coisas ausentes como presentes; mas entre as coisas presentes pondera as de mais preço e imagina com quanto ardor as buscarias se não as tivesses à mão.“

Mantenha-se bom, puro, sério, livre de afetação, amigo da justiça, gentil, apaixonado, vigoroso em todas as suas atitudes. Lute para viver como a filosofia gostaria que vivesse.

O primeiro passo da humanidade é ter esperança num mundo melhor e a sua maior virtude é ser capaz de confiar que ele será melhor; é ter FÉ!

Quem mostra que é humilde, definitivamente, nada tem de humildade.

Não desprezes a morte; dá-lhe boa acolhida, como a uma das coisas que a Natureza quer.

Se a morte é a ausência da vida, a vida deveria ser a ausência da morte. Logo, por que pensamos na morte?

Sempre que você se desentender com alguém, lembre que em pouco tempo você e o outro terão desaparecido.

Se te ocorrer, de manhã, de acordares com preguiça e indolência, lembra-te deste pensamento: “Levanto-me para retomar a minha obra de homem.

Basta abandonar todo o passado, confiar o futuro à providência e dirigir a ação presente para a piedade e a justiça.

Pior pessoa é aquela que não apresenta defeitos. Essa é a pior de todas, a mais falsa, quantas máscaras põe esta pessoa à frente de si mesma?

A nossa vida é aquilo que os nossos pensamentos fizerem dela.

Sou a prova viva da eficiência do pensamento de meu pai: diga-me o tamanho dos teus desejos e te direi o tamanho do teu sofrimento

VOLTAR PGINA INICIAL