25/04/2020

Lições da Pandemia

Dib Curi Dib Curi
"Talvez, o vírus seja apenas uma manifestação externa daquilo que já estava latente em nós, na insustentabilidade de nosso modo de viver."

Creio que três fenômenos históricos parecem ter enfraquecido a humanidade enquanto espécie nos últimos séculos, tornando-a quase que opaca para si mesma. Estes três fenômenos se acirraram bastante nos últimos 50 anos e chegaram a um nível crítico nos últimos 10 anos. São eles: o individualismo febril, o medo e a raiva politicamente manipulada. Estes três inimigos foram fazendo morada em nossos corações de maneira tão vagarosa e gradativa que hoje somos incapazes de compreender o quanto as nossas visões de mundo, emoções e reações são influenciadas por eles. Talvez tenhamos adoecido. Talvez, o vírus seja apenas uma manifestação externa daquilo que já estava latente em nós, na insustentabilidade de nosso modo de viver. Creio que três lições nos são impostas por esta pandemia: 1 – Cada um de nós não é separado da humanidade e da natureza. 2 - O medo e a ansiedade nos fazem perder o verdadeiro oxigênio da Vida. 3 - A raiva é uma reação extremamente tóxica e contagiosa. Finalmente, por tudo isto, nos acometeu a tristeza: Não é interessante que - na Medicina Chinesa - as doenças do pulmão sejam consequências da tristeza?

Mas como chegamos a isto? Talvez importe pouco neste momento esta resposta. Parecemos estar no limiar de um tipo de ser humano insustentável, que se priva do cultivo e da vivência de sua totalidade, algo em que acredita cada vez menos como, por exemplo, liberdade, amor e sensibilidade. Pelo contrário, somos um tipo de humanidade bipolar, individualista e alienada do seu entorno. Em nossa frágil maneira de viver, fomos sustentáveis enquanto não estávamos num mundo competitivo globalizado, apertado e exportador obsessivo de uma única maneira de Ser; mental, interesseira, ansiosa, egoísta e desligada da maternidade da Terra, da paternidade dos Céus e da fraternidade dos vivos.

Como permanecer mais tempo em um tipo de Vida que seja uma ilusão total e que iria nos destruir à todos? Esmagados por nós mesmos, fomos esvaziando a Vida presente de sentido, deixando de existir no imediato, no intenso e no nômade, para nos perdermos em planos mirabolantes e nos projetarmos num futuro que nunca chega, pois esvaziado de sentido verdadeiro, enraizado na posse de quinquilharias, segurança, conforto e sedentário em metas irrealizáveis e pânicos crônicos. Estamos tendo a nossa primeira aula de como Viver de verdade. Com certeza virão outras. O Universo é maior e mais sábio do que nós, que somos pequenas partículas ainda inconscientes e dormidas. O Universo é vivo e consciente, assim como a nossa Terra também. No fim das contas, Ter ou Ser é a lição mais dura de aprender.

Talvez tenhamos que sofrer por completo as consequências daquilo que acreditamos e aquilo que praticamos. Vida. Não tem jeito. É assim que a Vida é. Colhemos o que plantamos. Continuamos plantando separação e raiva uns dos outros? Vamos colher o que? Optamos pela vida acelerada, louca e competitiva? Então não podemos reclamar do estresse. Cultuamos o deus dinheiro?Teremos que experimentar submissão absoluta à ele. Decidimos votar em alguém? Sofreremos as consequências disto, seja quem for. Desequilibramos a natureza? Sofreremos com calor, pestes e vírus. Caímos no conto do vigário do Estado Mínimo neoliberal? Poderemos ficar totalmente desamparados se o Corona Vírus pegar mesmo. Afinal, onnde estão os hospitais públicos? Creio que é preciso ser muito mais responsável com aquilo que pensamos, sentimos, falamos e queremos. Porque é justamente isto que vai acontecer conosco. Chamem isto pelo nome que quiserem. No Oriente, eles chamam de Karma.

Para terminar, creio que todas as coisas estão unidas no corpo da Terra e além. Existe uma grande interconexão viva, sejamos ou não capazes de perceber, estejamos conscientes disto ou não. Os povos antigos pareciam compreender isto bem melhor do que nós. Por isto, talvez seja preciso resgatar nosso saber ancestral e orgânico. Nosso materialismo e individualismo acabaram por nos isolar demais uns dos outros e do mundo natural.O vírus é apenas mais uma das consequências do nosso modelo de vida.

Por: Dib Curi

O autor é professor de Filosofia e editor do Jornal Século XXI

VOLTAR À PÁGINA INICIAL