22/09/2019

A verdade sobre a Amazônia

Dib Curi Dib Curi
"No Brasil, temos mais bois nos pastos do que gente nas cidades "

Como jornalista e ambientalista militante que fui durante um longo tempo, gostaria de me posicionar sobre a Amazônia: É verdade que as queimadas são muito mais comuns nesta época de seca, de invernos prolongados e com pouquíssima chuva, principalmente, no Hemisfério Sul. Em agosto, principalmente, sempre houve mais queimadas. Mas, em 2019, a razão principal do aumento do número de focos de incêndio, em relação ao mesmo período de 2018, foram as centenas de fazendeiros que se apropriaram do discurso oficial, que cancelou e baniu multas, fortaleceu a autoridade da bancada ruralista, revogando limitações importantes ao desmatamento, inegavelmente estimulando a devastação dos biomas. São estes fazendeiros, principalmente, nas beiradas da BR-163, que estão colocando fogo nos pastos e este fogo está se alastrando rapidamente para a Floresta.

Mas é muito importante sabermos quais são os reais interesses por trás das queimadas: Basicamente são três iniciativas que estão causando o desmatamento da Amazônia:

1 - O gado, 2 - o plantio de soja, seguido por outros cereais e 3 - a extração de madeira. Dentre eles, o gado (a pecuária) é o principal com larga vantagem. Atualmente, são pouco mais de 200 milhões de bois pastando no território nacional. Ou seja, no Brasil, temos mais bois no pasto do que gente nas cidades. Os bois precisam de uma grande área de terra para pasto. O fato é que está havendo uma explosão do consumo de carne no Brasil e no mundo.

Desta forma, os maiores desmatadores da Amazônia somos nós mesmos com a nossa gigantesca demanda e gula por proteína animal. Importante saber também que quase 70 % da colheita da soja vai para ração de animais, inclusive o boi. A extração de madeira acaba sendo legitimada por estas iniciativas anteriores, pois primeiro chegam os madeireiros, desmatam e vendem a madeira, tudo isto em operação casada com os interesses pecuários e da monocultura da soja.

Há que falar da mineração também. Embora a mineração tenha um impacto bem menor no desflorestamento, ela contamina os rios com um excesso de mercúrio, o que vai criar um efeito cascata de enfraquecimento da saúde do Ecossistema como um todo.

Quanto a uma outra questão em que sofremos com informações equivocadas, é a questão das Ong´s. É preciso compreender que o trabalho das ONG´s na Amazônia é muito bom, salvo raras exceções que devem existir, mas que desconheço.

As Ong´s trabalham em vertentes científicas e culturais; principalmente nas áreas da preservação da cultura e dos saberes dos povos indígenas, das plantas medicinais, dos estudos relacionados à biodiversidade e às questões agroflorestais.

Por: Dib Curi

O autor é professor de Filosofia e editor do Jornal Século XXI

VOLTAR À PÁGINA INICIAL