22/06/2019

Elogio da simplicidade

Dib Curi Dib Curi
"O grande problema do Brasil atual é o desamor. Só no desamor podemos assistir o quadro de confusão e de discórdia que temos hoje. "

Gostaria de falar de uma maneira mais simples e direta com o leitor. Em geral gosto de falar sobre cultura e Filosofia. Hoje vou falar de convicções.

Viver é uma grande aventura. Para mim sempre foi uma aventura do conhecimento. Desde que me entendo por gente sou fascinado pelo mistério. Ainda menino, me apaixonei pelas estrelas e pelo relato das religiões afirmando o Espírito por trás da matéria. Acho que é preciso sutileza do nosso entendimento, para deduzirmos e “percebermos” isto.

Mais tarde me apaixonei pela cultura e pelo pensamento. O estudo da História e da Filosofia me ensinaram demais. Compreendi como nos prendemos às nossas visões, desejos, medos e interesses. Busquei a Psicologia para me aprofundar na alma das pessoas, no que acreditam, como sofrem e o que fazem de suas vidas.

Mais a frente, foi a Política que me ensinou que a sociedade é a junção e o conflito dos desejos e medos de todos nós juntos. Não há como mudar a sociedade se não mudarmos o ser humano, pois a sociedade é o que o ser humano é. A principal mudança do ser humano é compreender quem ele é, além de sua psicologia, política, história, além do seu próprio pensamento. Ao meu ver, estas coisas são como cascas, pinturas ou sonhos, que retirados, nos desvelam o magnífico Espírito que mora na nossa consciência, na Vida como um todo e neste infinito e mágico céu estrelado. Deus existe. Acima de tudo Deus É.

Aquém disto, existe o livre arbítrio, nossa inalienável Liberdade. Desta forma, fazemos da Vida exatamente aquilo que compreendemos dela. A Vida é exatamente aquilo que queremos e construímos, todos nós juntos, nada mais, nada menos. Muitos culpam Deus pelos atos da nossa liberdade. Creio que Deus não pode nos ajudar se não atuarmos no Amor que ele é. Não pode nos auxiliar se não fizermos nossa parte nos desapegando de nosso pequeno e limitado EU, pelo qual tanto lutamos. No fim das contas, nós mesmos somos Deus e o mundo é nossa criação. O mundo é a imagem e semelhança do que somos. Por isto é preciso uma grande decisão de mestria pessoal para mudarmos a nós mesmos e assim mudarmos o mundo.

A Vida é breve, as coisas passam rápido. Esperanças, desejos e medos, nos tomam quase o tempo todo. Importa muito a consciência que tomamos de nossos pensamentos e emoções e em que medida eles promovem nossa paz interior. Só nesta paz é possível brotar Amor. Só neste Amor o mundo se transformará. Pessoas ansiosas e irrequietas não podem gerar paz no mundo, independente do que estejam fazendo, pois não é o que fazem que importa, mas como fazem. É preciso ter discernimento sobre o que sentimos e o que projetamos para fora de nós. Nestes tempos, em que tudo parece ruir do lado de fora, se ergue luminoso o mundo interior humano, o chamado EU SOU. Este mundo reflete o próprio milagre de Ser, a grande ordem das coisas, o ser ÚNICO que verdadeiramente somos, independente do que a humanidade gera no externo. É hora de gerar PAZ em nós mesmos. Sem disciplina e mestria pessoal nada é possível. Um dos caminhos é afirmarmos sempre o Amor que existe em nós.

O grande problema do Brasil atual é o desamor. Só no desamor podemos assistir o quadro de confusão e discórdia que temos hoje. Pois pessoas amorosas fazem muito mais questão de serem felizes do que de terem razão. Pessoas amorosas veem o NÓS como um grande EU. Pessoas amorosas são mais curiosas e inclusivas na sua maneira de compreenderem o Universo, a natureza e a sociedade. Pessoas amorosas carregam junto de si a criança que um dia foram. Pessoas amorosas valorizam a Arte e entendem a Educação como se fosse um cultivo social de gente boa e afetuosa. Pessoas amorosas se importam com a dor dos outros. Pessoas amorosas se encantam com os mistérios e dificilmente ficam presas em quadradinhos compreensivos. Pessoas amorosas tem empatia com o jeito de ser dos semelhantes. Se há alguma coisa que incomoda uma pessoa amorosa e que a deixa chateada é justamente o desamor ou a pobreza no Amar. Para uma pessoa amorosa, o grande ideal da Vida é a Fraternidade. Entre duas pessoas amorosas dificilmente se estabelece uma cizânia, pois pessoas amorosas amam acima de tudo a Paz e a Harmonia. Às vezes, me pergunto: Haverá cura para a falta de Amor?

Por: Dib Curi

O autor é professor de Filosofia e editor do Jornal Século XXI

VOLTAR À PÁGINA INICIAL