15/12/2017

A busca da alma pelo encontro de Sofrosyne

Dib Curi Dib Curi
"Aquilo que os socialistas dizem se tratar de uma Luta de Classes, na verdade, é uma disputa que se trava no coração da humanidade entre as três partes da alma até que aconteça o encontro de Sofrosyne. "

No Brasil, existe uma forte culpabilização da corrupção da classe política como principal causa do atraso do país. Longe de discordar desta tese, creio, contudo, que os corruptos não são somente os políticos, mas a maioria da sociedade. Afinal, os políticos saem do meio de nós, são carne da nossa carne, além de serem escolhidos por nós.

Mas porque está acontecendo esta pandemia de corrupção? O fato é que adotamos um modelo econômico que destruiu os alicerces do caráter, pela quebra dos valores de pertencimento que mantinham coesas nossas aspirações comuns, pois excita demais os comportamentos individualistas, baseados numa profunda insegurança existencial e num caráter ansioso, belicoso e desejante do ser humano.

O filósofo Platão continua incomparável em suas análises, principalmente, aquela na qual divide a alma em três partes. Antes de citarmos as partes da alma é preciso salientar que Platão considerava que deveria existir um equilíbrio entre estas partes, uma justa-medida (Diké) contra a desmedida de uma só parte (Hybris). Ele considerava que deveria haver temperança ou harmonia, que ele chamava de Sophrosyne. Às três partes da alma, deu o nome de Logos, Thymos e Epithimia.

O Logos é a Razão, compreendida como ordenação de tudo, nos levando ao mais elevado e transcendente. O Thymós é a coragem e o ímpeto, que valoriza a honra, a glória e os aplausos. O Thymós superior gera o espírito público e a ânsia por justiça. Já o Thymós inferior gera dominação, intolerância e as ditaduras. Por fim, a parte Epitimética é aquela parte de nós que busca a satisfação dos desejos e necessidades: saciar a fome, sede e repousar; apreciar o deleite, conforto, segurança, prazeres e sensualidade. Compartilhamos esta parte com os animais. É o princípio fundamental e primitivo do homem: buscar o prazer e evitar a dor.

Platão ligava esta terceira parte da alma - a epitimética - aos comerciantes. Ele considerava que os comerciantes não poderiam chegar ao controle da sociedade, pois fariam as pessoas valorizarem somente um aspecto da alma (sensualidade, posses, conforto e segurança), desequilibrando a convivência social na desmedida e exacerbando o individualismo.

Ora, sabemos que, a partir de 1642, com a Revolução Inglesa e 1789, com a Revolução Francesa, passando pela Revolução Industrial, os comerciantes chegaram ao poder e nos guiaram à gula epitimética dos valores hedonistas e aquisitivos. Pois aquilo que os socialistas dizem se tratar da Luta de Classes é, na verdade, uma luta travada no coração da humanidade entre as partes da alma até o encontro de Sofrosyne.

Se pensarmos bem, concordaremos que 95% das atuais pessoas são individualistas, hedonistas e aquisitivas na sua mentalidade de trabalho e no entendimento competitivo de uma política auto empoderante. Para alcançar uma impossível estabilidade epitimética - a estabilidade está na harmonia entre as partes da alma - valem tentativas lícitas ou ilícitas de garantir prazer, segurança e conforto, se defendendo ou se promovendo através de posições de poder e destaque, inclusive, simulando uma casca formal de eficiência e adulação para conquistar a aprovação alheia. Tal comportamento é uma mistura da Epitimética com as partes mais baixas do Thymós. O parecer fica muito mais importante do que o Ser.

Se não compreendermos que o mundo exterior é um reflexo do mundo interior, continuaremos dando murro em ponta de faca, tentando transformar a realidade sem compreendermos, de fato, o funcionamento de nossa mente, nossas emoções e desejos.

Por: Dib Curi

O autor é professor de Filosofia e editor do Jornal Século XXI

VOLTAR À PÁGINA INICIAL