15/05/2017

São Pedro: Arte e História

Jorge Miguel Mayer Jorge Miguel Mayer
"Essa exposição me revelou o quanto é importante que a história saia dos museus e das livrarias para ganhar as praças e a população. "

“O Tejo é mais belo que o rio que corre pela minha aldeia, mas o Tejo não é mais belo que o rio que corre pela minha aldeia porque o Tejo não é o rio que corre pela minha aldeia”. ( Fernando Pessoa /Alberto Caieiro)

Além de maravilhosa por natureza, pela presença das águas e da Mata Atlântica, São Pedro da Serra oferece a obra de artistas e historiadores. “Tudo vale a pena se a alma não é pequena”: A criatividade faz com que todos se sintam hóspedes privilegiados da natureza. Digo isto, em função da exposição “Bandeiras de Rua”. “Inspiradas nos Suzani do Oriente, as Bandeiras, escreve a pesquisadora Maria Lúcia Martins, são um meio de mostrar sonhos, intenções da comunidade, expressos no seu modo de vida, trabalho e lazer”. As “Bandeiras” devem ser colocadas nas janelas da casas. Feitas pelos artistas Cecília de Castro Pinto, Isabel Pederneiras, Sarlanga, e fundamentadas pela pesquisa de Maria Lúcia Martins, apresentam cenas da história e da vida cotidiana do local.

Essa exposição me revelou o quanto é importante que a história saia dos museus e das livrarias para ganhar as praças e a população. Para se tornar uma dimensão da vida cotidiana. Foi neste sentido que elaborei os projetos curtos, facilmente realizáveis, e que propiciam pesquisa elaborada pela própria gente do lugar. Certamente têm importância na auto-estima da gente local e uma repercussão favorável ao bom turismo.

Projeto 1

Objetivo: fazer um pequeno livreto com os nomes das ruas, sua indicações físicas e mapeadoras e, sobretudo, contendo a explicação histórica dos seus nomes. Isto permitirá um duplo conhecimento: o histórico, que determinou o nome da rua, e a familiarização com o contexto e determinação da nomeação da rua. Por exemplo, após o falecimento de Isaides Blaudt, um amante de São Pedro e da natureza, foi dado o nome a uma travessa:Travessa Isaides Blaudt. Minha sugestão é que esta pesquisa seja realizada por um grupo de alunos, orientada por professores de História. Ofereço-me para integrar a coordenação e corpo de pesquisa.

Projeto 2

Tendo como fontes as atas eleitorais de 1875, quando São Pedro se chamava Inhames ou Macahé, observaremos o registro de famílias que viviam na área e, confrontando com as atas eleitorais de 1890, quando já havia o distrito de Lumiar, podemos aquilatar a presença de famílias descendentes de colonos suíços e alemães e ter uma base para explicar a sua continuidade na área. Sugiro que esta pesquisa seja orientada por professores do Colégio Estadual e da Escola Municipal e utilize, como fontes, as atas existentes no Pró-Memória de Nova Friburgo.

Projeto 3

Com base nas listas escolares de presença, perceber os nomes de descendentes suíços e alemães, e examinar este fenômeno evolutivamente nos anos 1970, 1990 e 2016. Pode-se perceber o quanto a escolaridade alcança a região; a proporção entre “os de dentro” e “os de fora”, podendo se arriscar a origem agrícola dos alunos. Sugiro que esta pesquisa seja realizada por alunos do Colégio Estadual sob orientação dos professores.

Projeto 4

Colocação de tabuletas explicativas em patrimônio antigo, sejam casas de pau a pique, construções como igrejas, escolas, cemitérios, postos de saúde, assim como bens da natureza, árvores, ervas medicinais, fontes de água. Essas etiquetas serão colocadas diretamente nos locais e indiciadas num livreto, de modo que o leitor saiba onde elas se localizam. Pesquisa passível de ser realizada por um grupo, sob orientação de professores, integrada por pessoas de notório saber local.

Projeto 5

Manter na frente da cidade um painel, tipo aquele que existe sobre geologia local. Proponho que ele seja erguido em bambu, material que servirá igualmente como moldura do painel, coberto por vidro plastificado no qual se colocam dados essenciais da região, alusões a dados e imagens históricas. Os textos e imagens seriam variáveis. Para sua realização, sugiro a formação de um grupo, oriundo de um apelo voluntário da AMASPS. (Associação de Amigos e Moradores de São Pedro da Serra).

Projeto 6

Realizar, em datas determinadas, palestras, cursos, oficinas; expor filmes e imagens sobre a história regional, podendo ser utilizados espaços públicos e particulares, ou ambos.

Estes projetos são absolutamente viáveis e todos devem ter a aquiescência da AMASP e até usufruírem de sua iniciativa organizadora. Sugiro que a sua responsabilidade caiba à AMASPS, à direção das escolas municipal e estadual, com participação de professores, pessoas interessadas do distrito, e me ofereço para colaborar nesses projetos.

Por: Jorge Miguel Mayer

O autor é doutor e professor de História da Universidade Federal Fluminense

VOLTAR À PÁGINA INICIAL