05/01/2017

Cenários

Suelí Meirelles Suelí Meirelles
"Quem olha para o céu, vê o céu; quem olha para o chão, vê o chão. Que direção nós daremos aos nossos olhares, nesta virada de ano? "

Todas as medidas de tempo e espaço são meros referenciais, para nossa organização no mundo tridimensional em que vivemos. Assim como as fronteiras geográficas delimitam espaços entre cidades e países, sem que tenham formas físicas delineada, as medidas de tempo: Segundos... Dias, meses, anos... Séculos, são conceitos culturais que nos permitem agendar compromissos e medir o tempo durante o qual permanecemos numa reunião, no trabalho, no laser ou até mesmo no planeta Terra, em termos de duração de vida. Porém, verdadeiramente, o tempo não existe! É uma ilusão!

Segundo Platão, Filósofo Grego, em seu texto O Mito da Caverna, o que chamamos de realidade, são apenas as sombras projetadas na parede fronteira, pela Luz que vem do exterior. E isto muda tudo! Mas, sem a ilusão das medidas de tempo e de espaço, nossa vida concreta seria caótica. Assim sendo, convencionamos que mais um ano está chegando ao final. O que podemos dizer de 2016? Que palavras melhor poderiam definir o ano que termina? Confuso, difícil, inseguro, sofrido... Ano de desconstrução civilizatória? Ano de expurgo? Ano de realizações, para quem?

Certamente formaturas, casamentos, nascimento de filhos, viagens... Afinal, toda situação tem dois lados!...

E agora? O que temos pela frente? Quais os caminhos que se apresentam em 2017? Através das Redes Sociais e Canais do Youtube, nas mídias sem edição dos novos tempos, uma infinidade de ângulos e cenários apontam numa mesma direção: Com certeza absoluta, estamos vivendo um tempo de intensas transformações. Mas, que transformações são essas? Elas variam desde as referências esotéricas e espiritualistas ao planeta Nibirú, que com sua energia densa afetará o campo eletromagnético da Terra, o campo mental e emocional da humanidade, a ecologia do planeta, etc...

Até o comportamento da própria humanidade, que gera os movimentos migratórios, as guerras localizadas, as possibilidades de uma revolução, pelo esgotamento das reservas financeiras e emocionais do povo brasileiro e talvez do mundo!?... O que virá?

Esperamos e pedimos aos céus, que o bem prevaleça! E este é o ponto principal: Neste plano de dualidade em que vivemos o bem e o mal, a luz e a sombra habitam dentro de cada um de nós, seres humanos. Pensamentos positivos e negativos desafiam nossas escolhas e disputam nossas ações. Livre Arbítrio é a Lei Maior da evolução! O que vamos privilegiar? Se dermos atenção ao negativo, ele será alimentado e, certamente irá se manifestar em nossa realidade. Quem olha para o céu, vê o céu; quem olha para o chão, vê o chão. Que direção nós daremos aos nossos olhares, nesta virada de ano?

Que probabilidades nós queremos visualizar para 2017? As pesquisas nos mostram que se tivermos 10% de membros de uma espécie sintonizados em novo padrão de comportamento, os outros 90% seguirão o modelo. Vamos então pedir por dias melhores, de uma forma bem simples? Junte suas mãos em prece, oração, reza... Diante do peito. Concentre sua atenção em seus dedos polegares (dedo da proximidade) e peça melhores pensamentos, sentimentos, palavras e ações para os seus familiares para que as relações sejam melhores.

Concentre sua atenção em seus dedos indicadores (dedo da acusação) e peça melhores pensamentos, sentimentos, palavras e ações para todos os que divergem entre si; peça que os opostos se tornem complementares e que as relações sociais sejam melhores.

Concentre sua atenção nos seus dedos médios (dedo da liderança) e peça melhores pensamentos, sentimentos, palavras e ações para todos aqueles que têm as tarefas decisórias das empresas, da justiça, dos governos, da política, das nações.

Concentre sua atenção nos seus dedos anulares ( dedo dos anulados) e peça por todos os que sofrem ( idosos, crianças, doentes, presidiários, imigrantes, os que têm fome ou sede, os que estão sem casas ou empregos e peça melhores pensamentos, sentimentos, palavras e ações, para que eles possam resgatar seus direitos, auto-estima e dignidade.

Concentre a sua atenção nos seus dedos mínimos ( dedo da humildade) e peça para si mesmo (a), melhores pensamentos, sentimentos, palavras e ações, conscientemente sabendo que, se você mudar seu padrão mental, neste exato momento e cada emanação de vida, no Planeta Terra fizer o mesmo, instantaneamente, tudo será diferente. Vamos experimentar...?

Por: Suelí Meirelles

Sueli Meirelles é Professora, Pesquisadora e Especialista em Psicologia Clínica, MBA em Gestão de Projetos.

VOLTAR À PÁGINA INICIAL